Siga-nos nas redes
“E-REDES”

Economia

Covid-19: Setor português dos espetáculos com quebras 87% na faturação

Publicado

em

Segundo manifesto da Associação de Promotores de Espetáculos, Festivais e Eventos (APEFE), que promove no sábado em Lisboa um protesto do setor, o mercado dos espetáculos registou uma quebra de 87% entre janeiro e outubro deste ano, face a 2019.

Admitindo que “não será difícil que esta quebra possa atingir os 90% até ao final do ano”, no “Manifesto pela Sobrevivência da Cultura em Portugal”, divulgado esta quarta-feira, a APEFE alerta para o impacto do “agravamento das medidas nas últimas semanas [anunciadas pelo Governo para tentar conter a pandemia da covid-19] e a sua continuidade, ou até um eventual novo confinamento social”,

Para aquela associação, “é chegado o momento de os decisores políticos dizerem o que querem para Portugal, no que respeita à Cultura e às manifestações artísticas enquanto fatores capitais e determinantes para a vida de cada indivíduo e enquanto fatores de coesão e de progresso da sociedade e dos cidadãos”.

No manifesto, a APEFE elenca uma série de questões, às quais considera que é “preciso, clara e inequivocamente responder”.

“Fechamos auditórios, salas de espetáculos, teatros? Vale a pena manter as galerias e promover exposições? Para que serve afinal um centro cultural ou um teatro? E os festivais de cinema e as salas de exibição de filmes? O que dizer das livrarias? Acabamos com os festivais e com os concertos? E o que dizer de toda a cadeia de valor associada às atividades artísticas e culturais? E os cruzamentos com os outros setores da Economia?”, questiona.

Recordando que “o setor privado da Cultura é responsável por mais de 80% das receitas de bilheteira, [que] é quem mais investe e cria públicos e (…) se substitui ao Estado na oferta cultural”, a APEFE alerta: “Os promotores, as salas, as empresas de audiovisuais e equipamentos para espetáculos, os artistas, os autores, os agentes, os produtores, os técnicos, e profissionais dos espetáculos estão sem chão”.

De modo a evitar, entre outros, “o aumento dos desempregados (sabendo que nem todos terão acesso a este apoio do Estado), as falências e as insolvências das empresas, e os danos irreparáveis para a saúde mental de toda a sociedade, se esta atividade for interrompida”, a APEFE exige “um apoio a fundo perdido da ‘Bazuca Europeia’ correspondente a 20% da quebra de faturação das empresas e a 40% no rendimento de artistas, técnicos e profissionais dos espetáculos, vulgo ‘intermitentes’, valor este a ser pago em duodécimos, de janeiro a dezembro de 2021”.

A ‘Bazuca Europeia’ a que se refere a APEFE são os 13,2 mil milhões de euros (a preços de 2018) que Portugal vai receber em subvenções (a fundo perdido), até 2023, através do Mecanismo de Recuperação e Resiliência, o principal instrumento do Fundo de Recuperação europeu pós-crise gerada pela covid-19.

No início deste mês, a Fundação GDA – Gestão dos Direitos dos Artistas apelou ao Governo para que aplique no setor cultural e criativo pelo menos 2% destas verbas.

No manifesto, a APEFE pede também ao Governo “o adiamento, por mais um ano, das moratórias e dos créditos empresarias, até setembro de 2022, o acesso a linhas de crédito com carência de capital por um ano e meio e máximo 1% de ‘spread’ e comissões bancárias incluídas”; pede também “que não afastem o público, sabendo que todos os espetáculos ao vivo são realizados de acordo com a regras sanitárias”.

Assumindo que “a recuperação de todo este setor empresarial demorará anos”, a APEFE defende que ainda “pode ser salvo”.

“Algumas dezenas de empresas já fecharam portas e outras centenas lutam diariamente para não seguirem o mesmo caminho, lutam para não despedir nenhum colaborador. Sem apoios concretos e contextualizados adequados às reais necessidades das empresas do sector e aos milhares de trabalhadores para quem a cultura é sinónimo de existência e subsistência, o fim está próximo. Infelizmente para muitos, o fim já chegou”, assegura.

A APEFE marcou para sábado uma ‘Manifestação pela Cultura’, no Capo Pequeno, em Lisboa.

Contactada pela Lusa, Sandra Faria, da APEFE, explicou que a manifestação irá decorrer “dentro do Campo Pequeno, como se de um espetáculo se tratasse”. Ou seja, “cumprindo as regras impostas pela Direção-Geral da Saúde”, e com a capacidade do recinto limitada a duas mil pessoas.

A APEFE convidou “associações e movimentos formais e informais do setor”, bem como “artistas” a juntarem-se ao protesto.

As salas de espetáculos encerraram em março, quando foi decretado o primeiro estado de emergência, embora os espetáculos tenham começado a ser adiados ou cancelados antes disso. Puderam reabrir a partir de 01 de junho, mas com normas de higiene e segurança.

Com a entrada em vigor do segundo estado de emergência e o decreto de um novo recolher obrigatório, desta vez parcial, salas de espetáculos um pouco por todo o país viram-se obrigadas a alterar horários ou a adiar programação, de modo a conseguirem sobreviver.

O Governo decretou o recolher obrigatório entre as 23:00 e as 05:00 nos dias de semana, a partir de 09 de novembro e até 23 de novembro, nos 121 municípios mais afetados pela pandemia, assim como “limitação da liberdade de circulação” nos fins de semana de 14 e 15 de novembro e de 21 e 22 de novembro.

Desde segunda-feira, dia 16, passaram a ser 191 os concelhos abrangidos por estas restrições.

PARTILHE ESTE ARTIGO:

Jornal

Rádio

Artigos Recentes

Paíshá 1 hora

Quase 838 mil vacinas já foram administradas em Portugal

O Ministério da Saúde avançou hoje que, em Portugal, já foram administradas 837.887 vacinas contra a covid-19. A vacinação começou...

Paíshá 2 horas

100 negacionistas protestam contra o uso obrigatório de máscara

São negacionistas da pandemia, afirmam que esta “não é real”, e protestam hoje contra o uso obrigatório de máscara, avança...

Paíshá 2 horas

Portugueses e espanhóis protestam pela abertura da fronteira de Bemposta

A fronteira de Bemposta, no concelho de Mogadouro, distrito de Bragança, az a ligação do Planalto Mirandês, através da localidade...

Paíshá 3 horas

Centros de saúde com decréscimo de 75% de consultas Covid-19

Dados avançados hoje pelo jornal Público revelam que as consultas a utentes infetados Covid-19 sofreram um decréscimo de 75%, o...

Paíshá 4 horas

Covid-19: 33 mortes e 1071 novos casos

De acordo com o Boletim Epidemiológico da Direção Geral de Saúde, registam-se, nas últimas 24 horas, 1071 novos casos confirmados...

Paíshá 4 horas

AstraZeneca pode começar a ser administrada a maiores de 65 anos

O chefe da Comissão Permanente para a Vacinação na Alemanha anunciou que vai alterar a recomendação que limitava o uso...

Paíshá 4 horas

GNR deteve 420 pessoas na última semana

No âmbito de operações de combate à criminalidade e de fiscalização rodoviária, a GNR deteve 420 pessoas na última semana....

Sociedadehá 6 horas

Nas últimas 24 horas, Açores não registou nenhum caso de Covid-19

O Arquipélago dos Açores já quase não regista casos de Covid-19. Aliás, esta sexta feira não houve nenhum caso confirmado,...

Regiãohá 6 horas

Fafe: Assalto à mão armada numa área de serviço na A7

Quatro homens encapuzados assaltaram, esta madrugada de sábado, pelas 5 da manhã, uma área de serviço da A7, em Fafe,...

Paíshá 6 horas

Covid-19: 140 pessoas impedidas de viajar a partir Porto, Lisboa e Faro

Entre 31 de janeiro e 25 de fevereiro, 140 pessoas foram impedidas de viajar pela PSP, revala o ministério da...

Famalicãohá 7 horas

Famalicão: Janeiro com 4742 desempregados. Mais 1330 que no ano anterior

O concelho de Famalicão registou no passado mês de janeiro um total de 4 742 desempregados inscritos no centro de...

Paíshá 7 horas

Preço dos combustíveis volta a subir esta segunda feira

Prevê-se que tanto o gasóleo como a gasolina aumentem 1 cêntimo por litro já a partir da próxima segunda feira....

Paíshá 8 horas

Porto: Incêndio esta madrugada deixa 11 pessoas sem casa

Onze pessoas ficaram desalojadas, esta madruga, num incêndio no Porto, mais concretamente na Rua Visconde de Setúbal, avança o Jornal...

Guimarãeshá 8 horas

Guimarães: Trânsito condicionado na variante de Creixomil

O trânsito na na variante de Creixomil, sentido nó da circular urbana (Hospital) – rotunda de Silvares, em Guimarães, estará...

Paíshá 8 horas

IHMT preocupado com produção clandestina de vacinas

Perante a iminente realidade da produção de vacinas no mercado clandestino com o objetivo de fazer face aos atrasos e...

Paíshá 9 horas

Óbitos por Covid-19 representam menos 25 mil anos de vida em Portugal

Um estudo levado a cabo pela Escola Nacional de Saúde Pública (ENSP) verificou que a mortalidade prematura causada pela covid-19...

Paíshá 20 horas

António Costa alerta para “ilusão” de que “o pior já está totalmente ultrapassado”

O primeiro-ministro avisou hoje que se vive neste momento “uma fase perigosa” e de “ilusão” ao pensar-se que “o pior...

Paíshá 20 horas

Apostador português “saca” 2 milhões e meio no Euromilhões desta sexta-feira

Um apostador portugues venceu esta sexta-feira o 2.º prémio do Euromilhões, arrecadando quase 2 milhões e meio de euros, ao...

Paíshá 22 horas

Covid-19: Plano de desconfinamento será apresentado no dia 11 de março

O primeiro-ministro, António Costa, afirmou hoje que o Governo apresentará no dia 11 de março o plano de desconfinamento, adiantando...

Paíshá 22 horas

António Costa considera natural iniciar processo de desconfinamento pelas escolas

O primeiro-ministro, António Costa, considerou hoje natural que o desconfinamento comece pelas escolas, lembrando que Governo “resistiu o mais que...

Arquivo

FAMA NAS REDES

Mais Vistos

ANUNCIE NESTE ESPAÇO > ligue +351252308147 ou WhatsApp para +351963964191