Siga-nos nas redes

Economia

CEO do Pingo Doce afirma: Aumento no preço dos cereais “é de longe o maior”

Publicado

em

A presidente executiva do Pingo Doce afirmou esta quinta-feira que o aumento do preço dos cereais “é de longe o maior”, sendo que as massas, óleos, rações e todos os produtos de origem animal são alvo de inflação.

Isabel Ferreira Pinto falava na conferência de imprensa ‘online’ da Jerónimo Martins sobre os resultados do grupo em 2021, cujo lucro subiu 48,3% face a 2020, para 463 milhões de euros.

Questionada sobre se sente algum impacto na cadeia de abastecimento em Portugal, a responsável disse que para já não.
“Apesar dos impactos evidentes deste contexto de crise humanitário de guerra, não estamos a sentir ainda qualquer tipo de problemas no abastecimento às lojas, nem nos nossos centros logísticos, mas é impossível prever esta quinta-feira em dia, vivemos momentos de grande incerteza”, afirmou a presidente executiva do Pingo Doce.

No que respeita à inflação nos produtos alimentares, “o incremento dos cereais é de longe o maior”, salientou.

No ano passado já tinha havido “uma grande inflação em todos os produtos que dependem direta ou indiretamente dos cereais”, embora as razões tivessem sido outras, explicou.

“As razões do ano passado foram outras, não têm a ver com a guerra na Ucrânia — sendo que a Rússia e a Ucrânia são dos maiores produtores de milho e trigo –“, mas sim com “a reposição dos ‘stocks’ por parte da China, que há dois anos tinha tido uma crise suína”, pelo que tinha procurado animais vivos e não rações, disse.

Mas no ano passado procurou rações, o que fez com que a procura aumentasse, a par da seca na América do Sul.

“A guerra começou há duas semanas, começámos a receber novamente incremento neste tipo de produtos”, mas “ainda estamos em processos negociais e, portanto, não sabemos ao certo qual é que será” a subida final, disse a responsável.

“Sabemos é que de facto são grandes incrementos, há de afetar essencialmente as massas, os óleos, as rações, tudo o que vem do animal, nomeadamente o leite, a carne os ovos e o pão”, sublinhou.

“Agora, se o porto principal da Ucrânia for fechado, em termos de cereais vai haver falta porque repor não é fácil”, alertou o presidente da Jerónimo Martins, Pedro Soares dos Santos.

O grupo “Jerónimo Martins fez um anúncio muito claro esta manhã: que está preparado para mitigar e para poder equilibrar o que é que pode passar ao consumidor e o que é que vai ter de absorver (…) mesmo que isso implique alguma revisão, talvez de alguma lucratividade, e isso tem muito a ver com o que se vai passar nas próximas quatro semanas sobre os aumentos de custos”, salientou Pedro Soares dos Santos.

“Por exemplo, o óleo aumentou 60%, isto é de um impacto brutal na vida das famílias”, exemplificou o presidente da Jerónimo Martins, que reforçou que o grupo vai tentar absorver o que puder.

“Não vamos ficar com tudo e este é que vai ser o grande exercício das próximas quatro ou cinco semanas, porque vai haver realmente uma loucura em termos de tentativa de subida de preço e nós vamos ter que ter uma grande luta para travar”, salientou.

Pedro Soares dos Santos disse ainda que o aumento de preços generalizado é sentido em todos os três mercados onde o grupo está presente: Portugal, Polónia e Colômbia.

“A pressão quer na Colômbia, quer na Europa, é igual, é brutal, nos produtos mais importantes a pressão tem sido altíssima e nalguns produtos, então na Colômbia, como os ovos, o óleo, a farinha, tem sido também tudo na ordem acima dos 40% e, portanto, esta pressão que se passa na Europa é a mesma pressão que se está a passar na América Latina”, disse.

A subida dos preços “tem forte impacto nas famílias de baixos rendimentos” e as empresas “vão ter aqui um papel muito importante”, acrescentou, admitindo que haverá “alguma pressão e dificuldade” nas relações entre a distribuição e a produção.

“Entendemos que nem tudo pode passar para o consumidor, porque se não estamos a empobrecer o mundo de uma forma muito rápida, e empobrecer e aumentar a desigualdade é uma coisa muito perigosa no mundo em que vivemos hoje, portanto estas relações vão ser difíceis, vão ser negociações nada fáceis, mas que nós vamos ter de saber lidar”, asseverou.

Pedro Soares dos Santos deu o exemplo que ainda esta quinta-feira o grupo teve de aumentar o preço do leite à produção, “mais uma vez”, defendendo que é preciso equilíbrio e bom senso.

“Vamos ter de saber distribuir, quer a distribuição, quer a produção, quer o consumidor, vai ter que entender que tem de haver aqui um balanço e claro depois há sempre um outro envolvido, que é o Governo, que depende muito do que vai querer fazer”, afirmou.

Por sua vez, Isabel Ferreira Pinto salientou que a inflação nos produtos alimentares tem acontecido ao longo dos anos.

“Nunca passei por momentos como estamos a passar hoje”, mas “o compromisso do Pingo Doce é continuar a ser o mesmo como foi até hoje, portanto temos de continuar a ter os preços mais baixos e as melhores promoções sempre à melhor qualidade e, obviamente, que as negociações são difíceis”, salientou a responsável.

Questionada sobre se a cadeia de supermercados vai aumentar as taxas de entrega, Isabel Ferreira Pinto disse que isso não está na mesa.

“O Pingo Doce não tem uma operação ‘online’ interna, é uma parceria que temos com o Mercadão, nomeadamente com a Glovo — Mercadão foi adquirido agora pela Glovo — e não perspetivamos aumentos das entregas por este incremento do gasóleo”, disse.

“Para já não está em cima da mesa”, garantiu.

Sobre a possibilidade de aquisições, Pedro Soares dos Santos foi perentório: “Este ano é mais importante, nesta primeira fase, o apoio comunitário e humanitário à Polónia do que propriamente uma aquisição”.

Relativamente ao projeto de produção de salmão, o presidente da Jerónimo Martins disse que a tecnologia que tinha sido escolhida para desenvolver “falhou”, mas que agora está a apostar numa outra, esperando ter resultados no final do ano.

“Não desisti ainda do salmão”, garantiu o gestor.

PARTILHE ESTE ARTIGO:
Publicidade Publicidade

Economia

Gasóleo fica mais barato 8 cêntimos e gasolina desce 3 cêntimos esta segunda-feira

Publicado

em

Por

O preço do gasóleo e gasolina deverá registar um decréscimo na próxima segunda-feira, de acordo com as previsões de fontes ligadas ao setor petrolífero.

Desta forma, os condutores deverão encontrar o gasóleo até 8 cêntimos mais barato e a gasolina a menos 3 cêntimos.

(em atualização)

PARTILHE ESTE ARTIGO:
Continuar a ler

Economia

Governo: Desconto no imposto sobre combustíveis vai manter-se até agosto

Publicado

em

Por

O Governo anunciou esta sexta-feira que o desconto no Imposto sobre os Produtos Petrolíferos (ISP) equivalente a uma descida da taxa do IVA dos 23% para os 13% vai manter-se nos meses de julho e agosto.

Em comunicado, o Ministério das Finanças refere que o Governo renovou as medidas de mitigação do aumento do preço dos combustíveis para os meses de julho e agosto, através de uma redução nos impostos e aprovou novas medidas para os setores mais afetados.

“Quanto à compensação por via de redução de ISP da receita adicional de IVA decorrente de subidas de preços dos combustíveis, o valor ficará estabilizado nos próximos dois meses, terminando as atualizações semanais deste imposto”, é referido na nota.

Complementarmente, adianta o Ministério na nota, a atualização da taxa de carbono vai manter-se suspensa por mais dois meses.

O Governo sublinha que a diminuição da carga fiscal será de 28,2 cêntimos por litro de gasóleo e 32,1 cêntimos por litro de gasolina, adiantando que este desconto será reavaliado em agosto”.

Na nota é também referido que foram igualmente aprovadas novas medidas direcionadas a setores específicos de atividade.

“Para o setor dos transportes de mercadorias é criado o mecanismo de Gasóleo Profissional Extraordinário (GPE), através do qual serão reembolsados 17 cêntimos por litro), até um máximo de 8.500 litros consumidos no conjunto dos meses de julho e agosto”, refere o Governo, acrescentando que vai manter-se ainda a redução de 50% no Imposto Único de Circulação (IUC) para veículos da categoria D.

No que diz respeito ao setor dos transportes de passageiros, o Ministério das Finanças adianta que foram aprovados apoios financeiros para os autocarros e táxis, em moldes semelhantes aos concedidos em novembro de 2021 e março de 2022.

“Para ambos os setores (mercadorias e passageiros) mantém-se a prorrogação por cinco anos da majoração de 120% no IRC dos custos com combustíveis (para os que não beneficiam do gasóleo profissional), e a flexibilização do pagamento das obrigações fiscais (IVA e retenções na fonte de IRS e IRC)”, segundo a nota.

O comunicado dá ainda conta de um aumento do desconto no ISP para o setor agrícola, que passa de 3,4 cêntimos por litro de gasóleo agrícola, para 6 cêntimos por litro, também por um período de dois meses.

PARTILHE ESTE ARTIGO:
Continuar a ler

Economia

Combustíveis: Governo aprova apoio de 17 cêntimos para pesados de mercadorias

Publicado

em

Por

O Governo aprovou nesta quinta-feira um apoio extraordinário ao gasóleo profissional para os transportes pesados de mercadorias de 17 cêntimos por litro, durante dois meses, num custo total de 18,5 milhões de euros.

Em conferência de imprensa, no final do Conselho de Ministros de hoje, a ministra da Presidência, Marina Vieira da Silva, anunciou que “foi aprovado um decreto-lei que estabelece um mecanismo temporário de apoio ao gasóleo profissional extraordinário dirigido aos transportes pesados de mercadorias”.

De acordo com a governante, este “é um apoio financeiro que tem a duração de dois meses e que visa substituir o atual regime do gasóleo profissional”, consistindo “num apoio de 17 cêntimos por litro” e com “um custo previsto de 18,5 milhões de euros”. Não foram revelados mais detalhes sobre a aplicação deste apoio.

Em março, o Ministério das Infraestruturas tinha dito que o Governo estava a estudar a criação de um regime transitório de reembolso do gasóleo profissional diretamente nas gasolineiras como forma de mitigar o impacto do aumento do preço dos combustíveis.

“Esta medida requer o acordo e um esforço de adaptação dos operadores, com quem o Governo irá trabalhar”, referiu então o Ministério das Infraestruturas e da Habitação, num comunicado em que foram anunciados reforços de medidas de apoio ao setor dos transportes de mercadorias.

O reembolso direto do gasóleo profissional nas gasolineiras tem sido reivindicado pelas empresas dos transportes de mercadorias, depois de, no final do ano passado, o Governo ter aumentado de 35 mil para 40 mil o limite anual de litros elegíveis para a devolução integral do ISP no gasóleo profissional.

PARTILHE ESTE ARTIGO:
Continuar a ler

Economia

Famalicão: Trabalhadores do Têxtil exigem aumentos salariais

Publicado

em

Por

Dirigentes sindicais e trabalhadores do setor Têxtil manifestaram-se esta terça-feira em Famalicão por melhores condições de trabalho e aumentos salariais.

A ação foi convocada pela FESETE e contou com a presença da secretária geral da CGTP, Isabel Camarinha.

PARTILHE ESTE ARTIGO:
Continuar a ler

Economia

Crise: Dois terços dos portugueses forçados a cortar nos alimentos. 58% já não usa o carro ao fim de semana

Publicado

em

Por

Cerca de dois terços dos portugueses foram forçados a cortar nos alimentos devido ao aumento dos preços. Esta é a conclusão de um inquérito da Aximage para o Jornal de Notícias, TSF e Diário de Notícias, que revela que 34% dos inquiridos admitiram ter reduzido o consumo de alguns produtos, enquanto que um quarto chegou mesmo a reduzir a compra de alguns produtos.

O aumento dos preços dos combustíveis também mudou as rotinas dos portugueses: 58% deixaram de utilizar o carro no fim-de-semana, 23% começaram a andar mais a pé, e 13% utilizam agora os transportes públicos.

Quanto aos rendimentos, 47% dos inquiridos dizem ter sofrido uma queda nos rendimentos nos últimos 12 meses, enquanto 57% dizem ter adiado uma despesa ou compra de “valor significativo”.

PARTILHE ESTE ARTIGO:
Continuar a ler

Economia

Gasóleo desce 3 cêntimos e gasolina diminui 2,5 cêntimos já na próxima segunda-feira

Publicado

em

Por

Depois de algumas semanas em subida, o preço dos combustíveis deverá registar uma descida, já na próxima segunda-feira.

Desta forma, os condutores irão encontrar o preço do gasóleo mais barato 3 cêntimos e a gasolina a menos 2,5 cêntimos, de acordo com a imprensa nacional.

PARTILHE ESTE ARTIGO:
Continuar a ler

Economia

Gasóleo volta a aumentar 4 cêntimos na próxima segunda-feira. Gasolina desce 2 cêntimos

Publicado

em

Por

O gasóleo deverá aumentar 4 cêntimos, enquanto que a gasolina deverá descer 2 cêntimos a partir da próxima segunda-feira, avança a Renascença.

Apesar de esta se revelar uma subida para o gasóleo menos acentuada do que esta semana, os preços de ambas matérias deverá continuar alguns cêntimos acima dos dois euros por litro na generalidade dos postos nacionais.

PARTILHE ESTE ARTIGO:
Continuar a ler

Economia

A inflação está aqui para ficar: Especialistas analisam perda do poder de compra em Portugal

Publicado

em

Por

A inflação está aqui para ficar, de acordo com especialistas. A perda do poder de compra dos salários médios por trabalhador será de cerca de 3,5% em 2022 – a maior redução desde a Tróica em 2012. Portugal terá a 11ª maior perda de poder de compra entre os 33 países da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE).

Segundo o jornal Dinheiro Vivo, que se baseia em dados recentes da OCDE, a queda do poder de compra dos salários médios per capita em Portugal deve-se principalmente ao facto de o aumento da remuneração média por empregado ser de apenas 2,9%, o sexto mais fraco no grupo de três dúzias de economias da OCDE.

Com base nas novas previsões da OCDE, a previsão da erosão salarial portuguesa para este ano – na região de 3,5%, que foi causada pela inflação – é superior à média da zona euro e do grupo da OCDE (2,8% em ambos os casos). À frente da tabela está a República Checa (mais de 7%) e completando o pódio estão a Estónia e o México, que ocupam a segunda e terceira posições no ranking, respectivamente.

PARTILHE ESTE ARTIGO:
Continuar a ler

Economia

Gasóleo volta a subir 9 cêntimos enquanto gasolina deverá descer 4 na próxima segunda-feira

Publicado

em

Por

O preço dos combustívies volta a ficar alterado, na próxima segunda-feira, embora desta vez os produtos mais consumidos sigam trajetórias diferentes, de acordo com fontes ligadas ao setor petrolífero.

Desta forma, os portugueses podem esperar encontrar o gasóleo mais caro 9 cêntimos, enquanto que a gasolina irá registar uma descida até 4 cêntimos.

(em atualização)

PARTILHE ESTE ARTIGO:
Continuar a ler

Economia

Comissão Europeia apresenta orçamento de 185 milhões para 2023 e mais uma “bazuca” anti-crise de 100 milhões

Publicado

em

Por

A Comissão Europeia apresentou, esta terça-feira, a sua proposta de orçamento da União Europeia para 2023, no montante de 185,6 mil milhões de euros, a serem complementados por mais de 100 mil milhões em subvenções do «NextGenerationEU», a ‘bazuca’ anticrise.

Esta proposta orçamental para o próximo ano ainda não incorpora as necessidades adicionais de financiamento relacionadas com o impacto da guerra na Ucrânia, reconhecidas na passada semana pelos líderes dos 27 durante um Conselho Europeu extraordinário, apontando o executivo comunitário que apresentará uma proposta atualizada numa fase mais adiantada do corrente ano, “com base numa avaliação mais precisa das necessidades”, tanto externas como internas.

Em termos das alocações propostas pelo executivo comunitário no ‘esboço’ orçamental para 2023 — superior em mais de 15 mil milhões de euros ao orçamento do corrente ano de 2022, de 170 mil milhões -, as maiores ‘fatias’ são 103,5 mil milhões de euros em subvenções ao abrigo do Mecanismo de Recuperação e Resiliência, para “apoiar o crescimento económico e a retoma após a crise da pandemia da covid-19 e para fazer face aos desafios colocados pela guerra na Ucrânia”, seguindo-se, do orçamento propriamente dito, 53,6 mil milhões para a Política Agrícola Comum (PAC) e 46,1 mil milhões para a coesão e desenvolvimento regional.

Entre outros ‘envelopes’, a proposta da Comissão Europeia para o orçamento anual de 2023 — parte integrante do Quadro Financeiro Plurianual 2021-2027, adotado no final de 2020 -, prevê 14,3 mil milhões de euros para apoiar os seus “parceiros e interesses na cena mundial” (sendo a maior parte, 12 mil milhões, consagrados ao instrumento de vizinhança, desenvolvimento e cooperação internacional «Global Europe»), e mais de 12 mil milhões para a investigação e desenvolvimento, designadamente o programa «Horizonte Europa».

Ao ambiente e ação climática, Bruxelas propõe destinar no próximo ano 2,3 mil milhões de euros, praticamente o mesmo valor que sugere que seja atribuído ao programa espacial europeu (2,2 mil milhões) e à proteção das fronteiras da UE (2,1 mil milhões).

A proposta orçamental da Comissão Europeia prevê um envelope de 1,2 mil milhões de euros para os desafios na área da Defesa, sugerindo Bruxelas que sejam destinados 626 milhões de euros para o apoio ao desenvolvimento de capacidades e investigação ao abrigo do Fundo Europeu de Defesa, e 237 milhões para apoiar a mobilidade militar.

“Continuamos a propor montantes extraordinários de financiamento para apoiar a recuperação da Europa e para enfrentar os desafios atuais e futuros. O orçamento continua a ser um instrumento importante que a União tem à sua disposição para proporcionar um claro valor acrescentado à vida das pessoas. Juntos, estamos a ajudar a Europa a moldar um mundo em mudança”, declarou o comissário do Orçamento, Johannes Hahn, na apresentação da proposta.

A proposta da Comissão vai agora percorrer um longo caminho negocial, dado ser necessário um acordo interinstitucional com o Parlamento Europeu e o Conselho (Estados-membros), normalmente alcançado em novembro de cada ano.

PARTILHE ESTE ARTIGO:
Continuar a ler

Artigos Recentes

Famalicãohá 1 minuto

PS/Famalicão: Eduardo Oliveira elogia SNS e defende ministra da Saúde na Assembleia da República

“Portugal tem um serviço público de saúde que continua a ser um exemplo para o mundo. E tem uma ministra...

Famalicãohá 34 minutos

Famalicão: Temperaturas vão chegar aos 36.º já na próxima semana

As temperaturas de verão, acompanhadas pelo sol, chegam a Famalicão na próxima semana. De acordo com as previsões do Instituto...

Economiahá 1 hora

Gasóleo fica mais barato 8 cêntimos e gasolina desce 3 cêntimos esta segunda-feira

O preço do gasóleo e gasolina deverá registar um decréscimo na próxima segunda-feira, de acordo com as previsões de fontes...

Paíshá 2 horas

Faleceu hoje o padre António Vaz Pinto aos 80 anos

O padre António Vaz Pinto, jesuíta e Alto Comissário para as Migrações e Minorias Étnicas entre os anos 2002 e...

Desportohá 2 horas

Famalicão: Ponta de lança Rafa reforça o Ribeirão FC

O Ribeirão FC anunciou a contratação de Rafa pra a sua equipa sénior principal, que volta agora a disputar a...

Famalicãohá 2 horas

Brufe celebra Santíssimo Sacramento este fim de semana

A freguesia de Brufe está a celebra as festas em honra do Santíssimo Sacramento. A esse propósito a FamaTV foi...

Economiahá 2 horas

Governo: Desconto no imposto sobre combustíveis vai manter-se até agosto

O Governo anunciou esta sexta-feira que o desconto no Imposto sobre os Produtos Petrolíferos (ISP) equivalente a uma descida da...

Desportohá 14 horas

Famalicão: Equipa de hóquei em patins do FAC recebida por Mário Passos

A equipa de hóquei em patins do Famalicense Atlético Clube (FAC) foi recebida esta quinta-feira, 30 de junho, no salão...

Famalicãohá 14 horas

Famalicão: Feira Medieval Viking está de regresso ao centro da cidade

A Feira Medieval Viking foi hoje, dia 30 de junho, inaugurada e estará em atividade no centro de Famalicão até...

Famalicãohá 19 horas

Famalicão: 4 detidos com 500 doses de cocaína e heroína

Quatro pessoas foram detidas, esta quarta-feira, em Famalicão, por suspeitas de tráfico de droga, após apreensão de 500 doses de...

pub

Jornal

Rádio

Arquivo

FAMA NAS REDES