Siga-nos nas redes

Economia

Preço alto dos combustíveis está a levar a agricultores a reduzir áreas ou abandonar cultivos

Publicado

em

O aumento generalizado de preços, sobretudo da energia e dos combustíveis, está a afetar o setor da horticultura nacional, com os agricultores a ponderarem reduzir ou mesmo abandonar as áreas de cultivo.

“O adubo está a aumentar cerca de 50, 60%, o combustível também está bastante mais caro desde o início do ano e estamos a vender os produtos hortícolas ao mesmo preço dos outros anos e cada vez está a ser mais difícil”, queixa-se António José Simões à agência Lusa.

A ponderar reduzir a área de cultivo em 40 a 50% para o próximo ano e substituir as produções de batata e couves por cereais, este agricultor pensa mesmo em parar a atividade a médio prazo.

“Se se parasse, ainda se ficava estável e, se continuarmos assim, acabamos por gastar tudo e pior ficamos”, teme.

As dificuldades sentem-se também nas centrais hortofrutícolas.

“Se os preços continuarem a subir assim nos combustíveis, nos adubos, nos inseticidas, na mão-de-obra, em tudo o que é material para embalar os produtos, na eletricidade, fico preocupado com esta situação”, afirma João Pedro Fernandes, gerente da empresa Simples & Frescas.

“Estamos a ficar com as margens um pouco esmagadas. Não conseguimos ter lucros a entrar e os 20 produtores que trabalham connosco não estão a receber o justo valor e não estamos a conseguir dar a volta”, acrescenta o empresário, que equaciona pedir aos agricultores associados para produzirem menos no próximo ano, mantendo-se a tendência dos preços dos custos de produção.

A Associação Interprofissional de Horticultura do Oeste (AIHO) estima que os prejuízos no setor já ultrapassam os 20% e tendem a crescer.

“Temo que haja abandono ou redução das áreas produtivas, porque têm de gerar receita ao fim do mês ou do ano, para conseguir pagar as despesas e ter algum lucro, porque é para isso que as pessoas trabalham, mas neste momento já nem estamos a falar de lucros, estamos a falar de não perder dinheiro”, sublinha à Lusa Sérgio Ferreira, presidente da AIHO.

Segundo o dirigente, a crise energética “está a criar um impacto fortíssimo no custo dos fatores de produção”, com “aumentos enormes nos adubos na ordem dos 40 e 50%”, nos combustíveis e nos produtos fitofarmacêuticos, que sobem todas as semanas.

Ao contrário do que acontece, defende que “estes aumentos vão ter de se fazer sentir no produto final, senão os agricultores têm de parar”.

No setor, há agricultores a começar a reduzir as aquisições de produtos, no arranque de mais uma campanha, diz o também secretário-geral da Louricoop, cooperativa agrícola que começa a “fazer compras conforme as necessidades” da produção e se vê confrontada com falta de ‘stocks’ por fecho de fábricas até ao final deste ano, devido à crise energética.

O setor fatura cerca de 500 milhões de euros e emprega entre sete a oito mil trabalhadores quer nas explorações agrícolas, quer nas centrais de processamento e transformação dos produtos, estima a AIHO.

PARTILHE ESTE ARTIGO:
Publicidade Publicidade

Economia

Salários em Portugal desceram 4,6% devido à inflação

Publicado

em

A remuneração média mensal bruta por trabalhador, que exclui outras componentes salariais e subsídios de férias e de Natal, aumentou 3,1%, para 1.439 euros, no segundo semestre deste ano, mas em termos reais diminuiu 4,6% devido à inflação registada neste período (8%), de acordo com dados divulgados pelo INE, relativamente à evolução do rendimento português.

Estes resultados abrangem 4,4 milhões de empregos, correspondentes aos beneficiários da Segurança Social e subscritores da Caixa Geral de Aposentações. E salientam que, no caso da remuneração básica e regular, a queda real foi ainda mais elevada (-5,1%) nos três meses que terminam em Junho.

PARTILHE ESTE ARTIGO:
Continuar a ler

Economia

Gasóleo desce 3 cêntimos esta segunda-feira e gasolina desce 2 cêntimos

Publicado

em

O preço dos combustíveis volta a baixar na próxima segunda-feira, com o gasóleo a descer 3 cêntimos e a gasolina 2 cêntimos, avança o jornal ECO.

Desta forma, o litro de gasóleo simples irá passar a custar cerca de 1,716 euros, enquanto que o litro de gasolina passará para os 1,785 euros.

PARTILHE ESTE ARTIGO:
Continuar a ler

Economia

Subida de preços na alimentação e combustível responsável pela maior taxa de inflação desde 1992

Publicado

em

Portugal registou a maior taxa de inflação em 30 anos, com o índice de preços ao consumidor a acelerar para 9,1% em Julho, graças ao aumento dos preços da alimentação, habitação e energia, hotéis e restaurantes e transportes.

O Instituto Nacional de Estatística (INE) confirmou em Julho os números da inflação anual que tinha anteriormente publicado há duas semanas, revelando um aumento da taxa de 0,4 pontos percentuais em comparação com o mês anterior.

A taxa de inflação mede a variação de preços de um cabaz de bens e serviços que consumimos diariamente, tais como alimentos, vestuário, casa e energia, em relação ao período anterior.

Para a maior taxa de inflação anual desde Novembro de 1992, quatro classes de produtos contribuíram principalmente, de acordo com o gabinete de estatística: habitação, água, electricidade, gás e outros combustíveis (16,6%), hotéis e restaurantes (14,8%), alimentação e bebidas não alcoólicas (13,9%) e transportes (12,8%).

Por outro lado, a saúde foi a única classe de consumo por objetivo que viu uma redução nos preços (-3,57%) e que estará relacionada com o fim das taxas de utilização no SNS desde 1 de Junho.

PARTILHE ESTE ARTIGO:
Continuar a ler

Economia

Crise: Presidente da Ryanair diz que acabou o tempo do voos a 10 euros

Publicado

em

O presidente executivo da Ryanair, Michael O’Leary, avisou hoje que o tempo dos voos a 10 euros acabou, devido à subida dos preços da energia, que se acelerou com a guerra na Ucrânia.

“Acho que não haverá voos a 10 euros, porque os preços do petróleo estão muito mais altos, desde que a Rússia invadiu a Ucrânia. […] Acho que não vamos ver esses preços nos próximos anos”, disse o responsável da companhia aérea irlandesa, em entrevista à BBC Radio 4.

As transportadoras aéreas de baixo custo, como a Ryanair ou a sua concorrente britânica Easyjet, revolucionaram a aviação nos últimos vinte anos, reduzindo os preços e levando a um crescimento das viagens curtas.

Segundo Michael O’Leary, as tarifas médias dos bilhetes na Ryanair deverão aumentar cerca de 10 euros, para 50 euros por trajeto, nos próximos cinco anos.

O responsável disse, no entanto, acreditar que a procura por viagens aéreas vai continuar e que, mesmo com as restrições orçamentais dos consumidores, as transportadoras de baixo custo vão “sair-se bem”.

Na mesma entrevista, O’Leary protestou ainda contra o ‘Brexit’, que reduziu o acesso de trabalhadores europeus ao Reino Unido, onde anteriormente mantinham centenas de milhares de empregos.

PARTILHE ESTE ARTIGO:
Continuar a ler

Economia

Seguradoras vão pagar cerca de 8 milhões em indemnizações pelos incêndios deste verão

Publicado

em

As seguradoras estimam o pagamento de indemnizações de 8 milhões de euros por incêndios ocorridos durante a situação de contingência e alerta decretada em Julho, de acordo com um inquérito da APS, a Associação Portuguesa de Seguradoras.

Conclusões de um inquérito aos membros, divulgado hoje, indicam também que Leiria foi o distrito com mais sinistros reportados, mas que os sinistros envolvendo o maior número de prejuízos foram reportados nos distritos de Faro (do incêndio em Almancil/ Quinta do Lago) e Aveiro.

Quase todas as perdas reportadas dizem respeito a seguros multi-risco, tanto comerciais como industriais (49%) e residenciais (37%).

“A situação que o país atravessou recentemente, e a crescente frequência dos eventos climáticos que estão na sua origem, reforçam a importância do seguro como elemento de mitigação das perdas sofridas e como factor de estabilidade na vida das pessoas e empresas”, disse o presidente da APS, José Galamba de Oliveira, num comunicado.

Segundo dados do Instituto para a Conservação da Natureza e Florestas (ICNF), o período até 31 de Julho de 2022 registou o quinto maior número de incêndios e a terceira maior quantidade de áreas ardidas desde 2012.

Julho é o mês (até agora) com o maior número de fogos rurais – 40% do total este ano. É também o mês com as áreas mais ardidas – 46.996 hectares, o que representa 81% de todas as áreas ardidas registadas este ano.

Os cinco maiores incêndios (até agora) ocorreram todos em Julho; o que consumiu a maior área foi no município de Murça, Vila Real, a 17 de Julho (7.058 hectares), seguido do incêndio de Pombal, Leiria, onde arderam 5.126 hectares (8 de Julho).

O incêndio de Chaves, Vila Real, no dia 15 de Julho, surge em 3º lugar, com 3.368 hectares ardidos, seguido de Carrazeda de Ansiães, Bragança (7 de Julho), com 3.330 hectares ardidos, e Ourém, Santarém, também a 7 de Julho, que consumiu 2.936 hectares.

PARTILHE ESTE ARTIGO:
Continuar a ler

Economia

Quais as profissões mais bem pagas em Portugal? Saiba aqui

Publicado

em

Um inquérito sobre as profissões mais bem pagas, realizado pelo ManpowerGroup, no final de Julho, mostra quais as profissões com os salários mais elevados.

Desde os marketeers digitais a cargos de gestão de saúde, a CNN Portugal compilou uma lista das profissões mais bem remuneradas em Portugal.

  1. Diretor Geral no sector da Saúde (privado) entre 120.000 e 150.000 euros por ano
  2. Diretor Comercial entre 100.000 e 150.000 euros por ano
  3. CIO (Chief Information Officer) entre 110.000 e 140.000 euros por ano
  4. Diretor do Centro de Serviços Partilhados entre 95.000 e 120.000 euros por ano
  5. Especialista em dados entre 35.000 e 50.000 euros por ano
  6. Gestor de Comércio Electrónico entre 50.000 e 75.000 euros por ano
  7. Especialista em cibersegurança entre 45.000 e 60.000 euros por ano
  8. Engenheiro de software mais de 45.000 euros por ano
  9. Especialista em aprendizagem de máquinas mais de 40.000 euros por ano
  10. Marketeer digital entre 35.000 e 45.000 euros por ano
PARTILHE ESTE ARTIGO:
Continuar a ler

Economia

Famalicão: Loja do Atlantic Park do Belita Supermercados celebra 11 anos

Publicado

em

No âmbito do 11.º aniversário da loja do Belita Supermercados, no Atlantic Park, na Lagoa, foram realizadas várias iniciativas, como a oferta de bolo de aniversário e o sorteio de uma viagem à Madeira.

António Oliveira, proprietário do grupo Belita Supermercados, em declarações à Fama TV, fez um balanço da história desta loja do grupo Belita.

PARTILHE ESTE ARTIGO:
Continuar a ler

Economia

Gasóleo desce 8 cêntimos na próxima semana. Gasolina desce 7 cêntimos

Publicado

em

O preço dos combustíveis deverá voltar da descer, no início da próxima semana, avança a SIC Notícias.

Caso se verifiquem, as previsões apontam para uma descida no preço do gasóleo de 8 cêntimos e de 7 cêntimos no preço da gasolina.

Estas diminuições do custo dos combustíveis vendidos ao público surgem na sequência de descidas no preço do barril de petróleo, registadas mais acentuadamente nas últimas semanas.

PARTILHE ESTE ARTIGO:
Continuar a ler

Economia

“Não falta mão de obra em Portugal, faltam bons salários” -diz o Sindicato da Construção Civil

Publicado

em

O Sindicato da Construção de Portugal (SCP) defendeu esta quarta-feira que “não há falta de mão-de-obra” no setor da construção civil, mas sim de um bom salário, disse hoje aos jornalistas, no Porto, o seu presidente, Albano Ribeiro.

“Não há falta de mão de obra, ela não vem porque ganha três e quatro vezes mais fora do país. Se ela vier, não temos trabalho para todos”, disse hoje o sindicalista na sede do SCP, no Porto, em conferência de imprensa.

Segundo Albano Ribeiro, nos últimos seis anos saíram do setor 300 mil trabalhadores, e atualmente são necessários 90 mil para executar as obras “públicas e privadas” em Portugal.

“Temos hoje na fileira da construção civil 45 mil trabalhadores. Já tivemos 90 mil trabalhadores”, disse ainda o responsável.

Caracterizando a atual situação da fileira da construção civil, Albano Ribeiro exemplificou dizendo que “antigamente, um trabalhador que era de Amarante e vinha para o Porto à segunda-feira, ia [para casa] à sexta, ficava numa caserna”, e hoje em dia “apanha um voo da Ryanair e vai trabalhar para a Alemanha” nos mesmos moldes, mas chegando a ganhar 3.500 euros.

Quanto à entrada de novos trabalhadores, o presidente do SCP afirmou que “o setor está muito envelhecido e não está a ser renovado”, atribuindo responsabilidades ao Governo, “porque acabaram com os centros de emprego onde davam formação”.

“É mais fácil hoje encontrar uma agulha num palheiro do que encontrar um aprendiz”, ilustrou.

Albano Ribeiro disse ainda que “os trabalhadores que possam vir para Portugal são bem-vindos, mas em mão de obra qualificada”, considerando que “a maioria dela não são operários qualificados”.

“Nós temos de qualificar para construir bem, e em segurança”, defendeu.

Outra das questões abordadas foi a da fiscalização, que levou o sindicato a pedir audiências ao ministro das Infraestruturas e da Habitação, Pedro Nuno Santos, e à ministra do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, Ana Mendes Godinho.

“No setor da construção nós temos falta de inspetores. Os inspetores do trabalho primam mais por ir às grandes obras”, afirmou o sindicalista, denunciando que, por outro lado, “80% dos acidentes de trabalho que ocorrem os acidentes de trabalho são empresas onde não vai a ACT [Autoridade para as Condições do Trabalho]”.

Para Albano Ribeiro, “tem que haver um reforço muito grande de inspetores do trabalho que intervenham nas obras aonde o trabalho precário e clandestino é alimentado”.

“Penso que a senhora ministra será sensível a esta questão, porque, por exemplo, o Estado está a perder milhões de euros por mês”, considerou.

“As redes mafiosas, os angariadores de mão de obra, o trabalho clandestino, isto tem tudo que acabar no setor”, afirmou esta quarta feira aos jornalistas.

PARTILHE ESTE ARTIGO:
Continuar a ler

Economia

Famalicão: Inflação já é evidente na feira semanal

Publicado

em

Dar prioridade à compra de bens essenciais e reduzir a aquisição dos restantes é a principal solução indicada por feirantes e compradores da feira semanal de Famalicão, face ao aumento da inflação que, no mês de julho, registou o valor de 9,1%, o mais alto desde 1992.

PARTILHE ESTE ARTIGO:
Continuar a ler

Artigos Recentes

Famalicãohá 13 horas

Famalicão: Encontro de Concertinas realiza-se este domingo em Sezures

Realiza-se este domingo, 14 de agosto, pelas 15 horas, no Recinto de S. Vicente em Sezures, o I Encontro de...

Póvoa de Varzimhá 13 horas

Festa da Sardinha começa esta sexta-feira junto ao Casino da Póvoa de Varzim

Regressa, esta sexta-feira, após dois anos de pandemia, a Festa da Sardinha da Póvoa de Varzim, um evento onde são...

Paíshá 14 horas

Vários bombeiros feridos após capotamento na Serra da Estrela. Um continua em estado grave

Dois dos cinco bombeiros feridos no capotamento de um veículo que combatia o incêndio que começou sábado no município da...

Paíshá 15 horas

Paróquia acusa José Malhoa de usar indevidamente igreja para filmar videoclipe da música “Ela queria 3” (VÍDEO)

O cantor português José Malhoa está a ser acusado da profanação de um espaço religioso, nomeadamente pela Paróquia de Cortegaça,...

Regiãohá 15 horas

Golfinho encontrado morto na praia em Vila do Conde. Estava coberto de sangue

Um golfinho foi encontrado, já sem vida, esta sexta-feira na praia, em Vila do Conde. O corpo do animal terá...

Paíshá 17 horas

Empresa que transportou adeptos do Hajduk Split diz que nunca teve conhecimento das intenções destes

A empresa responsável pelo transporte dos adeptos que na noite de terça-feira provocaram desacatos em Guimarães garantiu hoje, em comunicado,...

Paíshá 17 horas

Precisa mesmo de esperar 3 horas antes de entrar no mar após uma refeição? Conheça os concelhos da DGS

No Twitter, a conta oficial do Serviço Nacional de Saúde divulgou uma recomendação da Direcção-Geral da Saúde para prevenir o...

Paíshá 17 horas

Portugal entre os países que menos gastaram na proteção contra incêndios

Os dados do Eurostat revelam que em 2020, Portugal gastou cerca de 0,3% da despesa pública na protecção contra incêndios....

Famalicãohá 18 horas

Famalicão: PCP questiona Governo sobre despedimento de subcontratados da Continental de Lousado

O núcleo do PCP de Famalicão questiona o Governo sobre o despedimento de 12 trabalhadores da Schnellecke Logistics, subcontratados pela...

Economiahá 18 horas

Salários em Portugal desceram 4,6% devido à inflação

A remuneração média mensal bruta por trabalhador, que exclui outras componentes salariais e subsídios de férias e de Natal, aumentou...

pub

Jornal

Rádio

Arquivo

FAMA NAS REDES