Siga-nos nas redes
Publicidade

País

Portugueses manifestam-se pelo direito à habitação de Norte a Sul a 01 de abril

Publicado

em

As manifestações pelo direito à habitação marcadas para dia 01 de abril vão acontecer em seis cidades – Aveiro, Braga, Coimbra, Lisboa, Porto e Viseu – juntando uma centena de associações e coletivos, segundo a organização.

Direito à habitação, direito à cidade e fim da exploração e do aumento do custo de vida são as três principais reivindicações dos manifestantes para garantir a meta de “casa digna para todas as pessoas”.

Integrada numa ação europeia pelo direito à habitação (Housing Action Days 2023/ Dias de Ação pela Habitação 2023), coordenada pela European Action Coalition for the Right to Housing and the City, a manifestação “Casa Para Viver” agrega perto de cem associações subscritoras, algumas dedicadas especificamente à questão da habitação, como a Associação de Inquilinos Lisbonenses, a Habita! ou a Stop Despejos, mas também cívicas, ecologistas e ambientais, feministas e de pessoas LGBTQIA+ (minorias sexuais e de género), antirracistas e de migrantes, anticapitalistas e por direitos laborais (incluindo o Sindicato dos Professores da Grande Lisboa, o Sindicato dos Trabalhadores da Saúde, Solidariedade e Segurança Social e os Precários Inflexíveis), e muitos outros coletivos locais, comunitários, de moradores.

No manifesto, publicado na internet (https://www.casaparaviver.pt/), denunciam “a loucura das rendas e a falta de acesso à habitação” e prometem “lutar até que toda a gente tenha Casa Para Viver”.

As medidas anunciadas pelo Governo (que serão aprovadas na totalidade em Conselho de Ministros agendado para quinta-feira) não convencem os subscritores do manifesto, que, em comunicado divulgado hoje, as consideram “um cavalo de Troia, no meio do qual estão medidas como a facilitação dos despejos e o aumento dos benefícios fiscais que fortalecem a especulação imobiliária”.

Assumindo-se diversos (mulheres, jovens, idosos, populações migrantes, comunidades vulneráveis ao racismo e à discriminação), prometem combater o mesmo problema: a crise na habitação.

“Somos pessoas que habitamos os bairros e muitas vezes temos de escolher entre pagar a renda ou pôr comida na mesa”, resumem.

“Não conseguimos pagar as nossas rendas ou suportar os nossos empréstimos bancários”, declaram, contestando “os despejos e as expulsões” das comunidades, “ao mesmo tempo que florescem os negócios em torno do turismo, do alojamento local e da especulação”.

Por isso, questionam “quem pode morar nas cidades portuguesas, hoje?”, recordando que as rendas em Portugal aumentaram 40% nos últimos cinco anos, segundo dados do Instituto Nacional de Estatística publicados em setembro, enquanto os preços das casas subiram quase 19% desde o ano passado, de acordo com dados da Confidencial Imobiliário.

“Ao mesmo tempo que existem 730 mil casas vazias no país, há dois milhões de pessoas em situação de pobreza e mais de 50% da população em risco de miséria”, denunciam.

Sublinhando que “não é o aumento da oferta privada e da construção (…) que vai baixar os preços”, reclamam mais habitação pública, social e cooperativa “de qualidade”, o controlo do mercado imobiliário e a descida das rendas, a descida e o congelamento de juros e lucros dos bancos, o fim “real” dos vistos ‘gold’, do estatuto de residente não habitual, dos incentivos para nómadas digitais e das isenções fiscais para o imobiliário de luxo e para empresas e fundos de investimento, a suspensão dos despejos e das demolições.

O problema, dizem, é que se tem tratado “a habitação como um negócio e não como um direito básico”.

As manifestações, agendadas para as 15:00 de 01 de abril, vão decorrer em Aveiro (Praça Melo Freitas), Braga (Coreto da Avenida Central), Coimbra (Praça 8 de Maio), Lisboa (Alameda), Porto (Batalha) e Viseu (Praça da República).

PARTILHE ESTE ARTIGO:
Publicidade Publicidade

Economia

Nova fase do projeto-piloto da semana de quatro dias de trabalho começa esta segunda-feira

Publicado

em

O projeto-piloto da semana de quatro dias de trabalho arranca esta segunda-feira, com a adesão de 39 empresas e cerca de mil trabalhadores, revelou o Ministério do Trabalho.

As empresas aderentes “estão distribuídas por 10 distritos, com Lisboa, Porto e Braga a serem as principais localizações das empresas”, refere a agência Lusa, citando fonte do ministério.

Entre estas 39 empresas “está um instituto de investigação, uma creche, um centro de dia, um banco de células estaminais que trabalha sete dias, e empresas do setor social, indústria e comércio”, menciona a mesma informação, referenciando que “ao todo, o piloto arranca com cerca de mil colaboradores”.

Deste universo de empresas, há 12 que são associadas do projeto e iniciaram a semana de quatro dias no final de 2022, ou início de 2023, e que “vão usufruir do apoio da equipa de coordenação nas novas formas de gestão e equilíbrio dos tempos de trabalho”.

As principais áreas representadas na segunda fase do projeto são atividades de consultoria, científicas, técnicas e similares, com quase 40%, seguindo-se educação e atividades de informação e de comunicação, com cerca de 15%, cada.

PARTILHE ESTE ARTIGO:
Continuar a ler

País

Condutores deixam de ser obrigados a apresentar selo do seguro na janela do carro

Publicado

em

O Parlamento aprovou uma proposta que elimina a obrigação de exibir os detalhes do seguro automóvel na janela do carro, bem como as multas associadas a isso.

A proposta, resultante de um projeto de lei apresentado pela Iniciativa Liberal, foi aprovada com os votos favoráveis do PS, PCP e BE, o PSD absteve-se e o Chega votou contra.

Salientando as razões para a apresentação desta proposta, a IL salientou que “num contexto histórico de fortes restrições financeiras, não vemos como proporcional ou justificado que o Estado cobre centenas de euros apenas por esquecer um simples papel que apenas transmite informações que já estão em posse da pessoa”, apontaram.

O texto final acrescenta alguns pontos ao artigo da lei que define as regras para a emissão de documentos que comprovam o seguro, estipulando que esses documentos podem ser emitidos e disponibilizados por meios eletrónicos, “sem prejuízo da sua emissão e disponibilização em papel, sem custos adicionais, a pedido do tomador do seguro ou, quando aplicável, do segurado, ou nos casos em que não possuam comprovadamente meios eletrónicos adequados para a transmissão e receção segura dos mesmos”.

Esses documentos emitidos eletronicamente “substituem o certificado de seguro em papel”, é explicado no mesmo.

PARTILHE ESTE ARTIGO:
Continuar a ler

Economia

Preço dos alimentos essenciais está no valor mais baixo deste ano -DECO

Publicado

em

Segundo a associação de defesa dos direitos dos consumidores DECO, O cabaz dos 63 produtos alimentares essenciais monitorizado custava, no último dia deste mês e maio, 217,60 euros, sendo este o valor mais baixo registado este ano.

“Este valor representa uma diminuição de 2,49 euros (menos 1,13%) em comparação com o preço da semana passada”, afirma a defesa do consumidor.

Comparativamente ao mesmo período do ano passado, o preço do cabaz subiu 11,62 euros (mais 5,64%). Há um ano, comprar exatamente os mesmos bens essenciais custava 205,98 euros.

PARTILHE ESTE ARTIGO:
Continuar a ler

OUVIR RÁDIO

VER TV EM DIRETO

LER JORNAL

pub

Artigos Recentes

Famalicãohá 2 horas

Famalicão: “Musaranho” de Bordalo II é a nova atração da Praça D. Maria II

A Praça D. Maria II, em Famalicão conta a partir de hoje com o “Musaranho” a nova obra do escultor...

Desportohá 3 horas

Famalicão: Petizes e traquinas do Bairro FC visitaram a Cidade do Futebol onde treinam os seus ídolos da Seleção Nacional

Os escalões de petizes e traquinas do Bairro Futebol Clube, visitaram, este sábado a Cidade do Futebol, local onde decorrem...

Desportohá 4 horas

Jorge Silva não vai voltar a candidatar-se à presidência do FC Famalicão

O atual presidente do Futebol Clube Famalicão, Jorge Silva, não se voltará a candidatar, nas próximas eleições do clube, a...

Famalicãohá 5 horas

Famalicão: Falha no abastecimento de água em Ribeirão devido a rutura em conduta

Devido à rotura de uma conduta do abastecimento de água, na Avenida Rio Veirão, na freguesia de Ribeirão, é esperado...

Famalicãohá 5 horas

Famalicão: Termómetros atingem 30.º graus esta terça-feira

As previsões meteorológicas apontam para uma terça-feira com 56% de probabilidade de chuva e termómetros a chegar aos 30.º graus,...

Famalicãohá 6 horas

Famalicão: Veículo pesado tombou na via pública em Pousada de Saramagos

Um veículo pesado acabou tombado, na via pública, na sequência de um despiste, nas imediações das instalações da Associação Recreativa...

Famalicãohá 7 horas

Famalicão: Casa do Artista Amador convida Engenheiro António Abreu para abordar “A banca e a sustentabilidade esta quarta-feira

A Casa do Artista Amador de Famalicão convida para mais um “Café Filosófico”, esta quarta-feira, com a presença do Presidente...

Famalicãohá 7 horas

Famalicão: Mário Passos acompanha preparação da Proteção Civil para o verão e lembra que a prevenção está “nas mãos de todos”

De acordo com o Presidente da Câmara Municipal de Vila Nova de Famalicão, Mário Passos, “a nossa Proteção Civil tem...

Famalicãohá 9 horas

Famalicão: Núcleo de Enfermeiros de Reabilitação do CHMA realizou 1.ª Reunião Científica

Sob o tema: “Perspetivar o Futuro da Enfermagem de Reabilitação”, teve lugar a Primeira Reunião Científica organizada pelo Núcleo de...

Desportohá 10 horas

Defesa do FC Famalicão Enea Mihaj convocado para a Seleção Nacional da Albânia

O defesa central do Futebol Clube de Famalicão Enea Mihaj, prepara-se para disputar dois jogos, pela seleção principal da Albânia,...

Arquivo

Mais Vistos