Siga-nos nas redes

Braga

Atualização: Suspeitos de matar mulher em Braga para ficar com casa e bens da vítima

Publicado

em

A Polícia Judiciária (PJ) deteve um casal suspeito de matar uma mulher de 69 anos em Braga, para obtenção e apropriação de bens patrimoniais da vítima, disse hoje fonte daquela força à Lusa.

Segundo a fonte, o elemento masculino do casal teria uma relação amorosa com a vítima.

“O objetivo do crime terá sido a apropriação dos bens que a vítima tinha consigo e ainda da casa que lhe pertencia”, acrescentou.

A vítima, de 69 anos, terá sido assassinada, numa freguesia urbana de Braga, “através do uso de força física” e o corpo transportado pelos suspeitos até Dume, no mesmo concelho, onde foi abandonado num caminho.

Os detidos, ele de 61 anos e ela de 48 anos, moram na cidade de Braga.

Estão indiciados da prática de crimes de homicídio qualificado, profanação de cadáver, burla informática e furto.

Vão ser presentes a tribunal para primeiro interrogatório judicial e aplicação das respetivas medidas de coação.

PARTILHE ESTE ARTIGO:

Braga

Militar da GNR de Braga acusado de peculato e abuso de poder

Publicado

em

Por

O Ministério Público (MP) acusou um militar da GNR de Braga de peculato e abuso de poder por alegadamente ter falsificado os mapas mensais de suplementos remuneratórios, logrando assim receber indevidamente 5.400 euros.

Segundo nota hoje publicada na página da Procuradoria-Geral Regional do Porto, o arguido era chefe do Núcleo de Investigação Criminal da GNR de Braga.

“Enquanto responsável pelo preenchimento e envio para processamento dos mapas mensais de suplementos remuneratórios, de novembro de 2011 a outubro de 2016, incluiu o seu nome enquanto beneficiário do suplemento de escala, embora não tivesse direito a receber tal suplemento”, refere a nota.

O Ministério Público concluiu que, dessa forma, o arguido recebeu indevidamente o montante líquido de 5.400,17 euros.

O arguido está ainda acusado de ter ordenado aos militares do efectivo do Núcleo de Investigação Criminal, seus subordinados, que o substituíssem na execução do serviço para que ele estava escalado.

PARTILHE ESTE ARTIGO:
Continuar a ler

Braga

Homem de 50 anos acusado de evenenar gatos na Póvoa de Lanhoso

Publicado

em

Por

A GNR identificou um homem de 50 anos na Póvoa de Lanhoso, distrito de Braga, por alegados maus-tratos a animais de companhia, através de envenenamento, anunciou hoje aquela força.

Em comunicado, a GNR refere que, na sequência de uma denúncia dando conta de eventual envenenamento de gatos, os militares foram ao local e encontraram nas proximidades um bebedouro “com um líquido com odor a produto químico”.

O suspeito foi identificado e constituído arguido pela eventual autoria do crime de maus-tratos a animais.

Os factos foram comunicados ao Tribunal da Póvoa de Lanhoso.

PARTILHE ESTE ARTIGO:
Continuar a ler

Braga

Elemento da GNR e esposa acusados de burla a idosos no valor de 400 mil euros em Fafe

Publicado

em

Por

Um militar da GNR de Fafe e a mulher, auditora de justiça, foram acusados pelo Ministério Público acusou quatro arguidos, entre os quais de 32 crimes de burla qualificada e um de branqueamento, anunciou hoje a Procuradoria-Geral Regional do Porto.

Em nota publicada na sua página, aquela procuradoria refere que os outros dois arguidos são pais daquele militar da GNR no distrito de Braga, e residentes em Mondim de Basto, no distrito de Vila Real.

Com as burlas, os arguidos terão conseguido mais de 400 mil euros, que permitiriam uma vida de luxo ao GNR e à mulher.

Segundo a nota, o MP considerou indiciado que o militar da GNR, “tendo, conjuntamente com a sua mulher, rendimentos modestos, mas pretendendo, além do mais, viajar, frequentar hotéis e restaurantes de luxo, adquirir roupas de marcas dispendiosas e viaturas de gama alta, engendrou um esquema” para obter as quantias monetárias necessárias àquela vida de luxo, “à custa de terceiros”.

Ao esquema, segundo o MP, aderiram a mulher e os pais do GNR.

Ainda segundo a acusação, o esquema passou por o pai do GNR, “muito conhecido, considerado e com boa reputação na sua área de residência, acolitado pela sua mulher sempre que necessário, pedir dinheiro emprestado a pessoas que nele confiavam, geralmente pessoas de idade, enganando-as com uma simulada situação de urgência e aflição”.

O pai do GNR alegaria uma falsa prisão iminente do seu filho, decorrente de problemas com a justiça e/ou com uma também falsa possível expulsão daquela força policial.

“No contexto da alegação, o dinheiro seria necessário para acudir a pagamentos devidos em tribunal, para evitar os referidos desfechos”, acrescenta.

Com base naquele argumentário, que sofreria “pequenas variações” conforme a circunstância e o interlocutor, os arguidos conseguiram que 29 ofendidos, nalguns casos marido e mulher, lhes entregassem, de 2016 a 2019, o montante global de 406.999 euros.

O MP diz que “parte substancial” deste montante financiou um “elevado” nível de vida económico do militar da GNR e da mulher.

Os arguidos estão ainda acusados de terem feito circular estas quantias por contas bancárias, com operações para dificultar a sua rastreabilidade, e de as terem reconvertido em inúmeros bens.

PARTILHE ESTE ARTIGO:
Continuar a ler

jornal opinião pública

fama rádio

Artigos recentes

Arquivo

FAMA NAS REDES

Mais vistos

anuncie neste espaço > ligue +351252308147