Siga-nos nas redes

País

Fenprof acusa Ministério da Educação de “encobrir” impacto da covid-19 nas escolas

Publicado

em

A Federação Nacional dos Professores (Fenprof) alertou hoje que a situação pandémica nas escolas está a agravar-se e acusa o Ministério da Educação de “encobrir a real dimensão do impacto da covid-19 nas escolas, mantendo o clima de opacidade”.

Em comunicado, a Fenprof reitera as “exigências de informação sobre escolas com casos de covid-19 e procedimentos adotados, bem como a negociação das condições de segurança e saúde nas escolas que tem caráter obrigatório” e sublinha que o ministro da Educação, Tiago Brandão Rodrigues, “não está acima da lei”.

“Foi necessária a intervenção do tribunal para, finalmente, o ME enviar “uma (não-)resposta ao que a Fenprof requereu”, refere a federação sindical.

Segundo a Fenprof, após semanas sem responder aos seus repetidos pedidos de informação sobre quais as escolas em que existem casos de covid-19 e, nessas escolas, que procedimentos foram adotados face a essa situação, o ME “teve, finalmente, de enviar uma resposta, na sequência da ação de intimação interposta junto do Tribunal Administrativo de Círculo de Lisboa”.

Só que a resposta recebida, via tribunal, considera a Fenprof, é “uma não-resposta, assinada por uma licenciada em Direito e não por qualquer responsável político do Ministério da Educação”.

“Uma não-resposta cujos argumentos passam por fazer crer que a Fenprof pretende obter dados que efetivamente não requereu. Ademais, essa argumentação vem pôr em causa procedimentos corretos adotados por escolas, DGAE, universidades, municípios, governos das regiões autónomas e outras entidades quando, nas mais diversas áreas, têm vindo a divulgar a existência de casos de covid-19, por exemplo, em lares, estabelecimentos prisionais, entre profissionais de saúde”, adianta.

De acordo com a Fenprof, o ME sustenta a negação da divulgação de informação alegando que a informação solicitada se relaciona com dados pessoais relativos à saúde e que seria necessário que os docentes infetados autorizassem a sua transmissão, sustentando ainda que a mera designação das escolas já permitiria a identificação das pessoas doentes pelas comunidades educativas e, acrescenta, nos meios mais pequenos, pela população em geral.

O ME argumenta ainda, segundo a Fenprof, que esses “dados facilmente extravasariam para as redes sociais” e alega que a federação sindical já tem uma lista de escolas que atualiza no seu sítio da Internet.

Para a Fenprof, tal lista é construída com os dados confirmados por escolas, entidades públicas ou comunicação social, mas “incompleta e sem informação” relativa a procedimentos e às medidas adotadas em caso de contágio.

“Com esta não-resposta, o ME continua a encobrir a real dimensão do impacto da covid-19 nas escolas, mantendo o clima de opacidade que adota desde o primeiro momento, provavelmente temendo que estas estejam a ser espaço de contágio com repercussão na comunidade e que, desse facto, venha a ser responsabilizado pela insuficiência das medidas de segurança sanitária que, à margem da negociação a que estava obrigado, impôs”, conclui a Fenprof.

Segundo a Fenprof, com o intuito de fugir ao esclarecimento, o governo “não hesita em optar por um caminho que pode vir a criar problemas às escolas, à DGAE e a outras entidades, nomeadamente porque muitas escolas “têm e bem” divulgado nos respetivos sites, redes sociais ou por outros meios a existência de casos de covid-19, identificando as turmas ou anos de escolaridade.

A Fenprof contrapõe ainda à argumentação do ME que a DGAE, há cerca de duas semanas, criou “uma plataforma onde as escolas identificam os casos positivos de covid-19 e casos de quarentena (isolamento profilático) decorrentes de contactos de risco, determinados e comunicados pelas Autoridades de Saúde e também identifica os casos positivos já recuperados”, questionando se aqueles que constituem casos positivos autorizaram essa identificação.

Entre outras situações, a federação sindical lembra que as instituições de ensino superior divulgam regularmente boletins epidemiológicos próprios, onde são identificados os casos e referidas as faculdades e/ou departamentos e/ou escolas em que se registam casos de Covid-19 e a sua evolução, o que rebate a argumentação do ME.

A Fenprof conclui assim que a “não-resposta do ME confirma que os seus responsáveis preferem continuar a encobrir o que realmente se passa nas escolas, em vez de agirem, como se exigia, de forma clara e transparente”.

“Apesar dessa prática de encobrimento, é indisfarçável que o número de escolas com casos de covid-19 tem vindo a aumentar de uma forma acelerada, havendo a registar um número crescente de alunos, professores e trabalhadores não docentes infetados”, denuncia a federação, revelando que dados que recolheu indicam que já são quase 830 as escolas que tiveram ou têm casos ativos de covid-19 no presente ano escolar.

A Fenprof diz que é “notório o aumento de casos em professores” e que já contabilizou “mais de duas centenas”, mas alerta que quanto às escolas e aos docentes estes números são “certamente mais baixos do que os reais, que continuam a ser escondidos pelo ME” e propõe a criação de um protocolo que estabeleça procedimentos semelhantes para situações idênticas, conferindo coerência aos mesmos e pede que sejam realizados testes a todos os que, nas escolas, estiveram próximos de pessoas infetadas.

Lembra ainda que, apesar de o governo ter anunciado a realização de testes rápidos nas escolas, estas “continuam sem receber qualquer informação sobre o assunto”, pelo que insiste na obrigação de os responsáveis do ME cumprirem as leis, designadamente as que o obrigam a negociar com as organizações sindicais as condições de segurança e saúde no trabalho e a fornecer informação sobre a covid-19 nas escolas.

“É lamentável que o ME viole a lei, desvalorize os sindicatos e desrespeite os professores, mas esses também serão motivos que levarão os professores a lutar”, adverte a Fenprof.

PARTILHE ESTE ARTIGO:

Jornal

Rádio

Artigos Recentes

Bragahá 7 minutos

S. João de Braga vai concretizar-se “com a abertura possível”

Este ano, o S. João vai concretizar-se, entre 18 e 24 de junho, mas apenas com as atividades presenciais “reduzidas...

Sociedadehá 32 minutos

Covid-19: Mais 789 novos casos e 1 morte

O Boletim Epidemiológico da Direção Geral de Saúde divulgado, este sábado, mostra que Portugal regista 789 novos casos de Covid-19...

Famalicãohá 1 hora

Governo continua sem esclarecer situação relativa à requalificação da N206

O deputado famalicense Jorge Paulo Oliveira considera que “não é aceitável” a falta de respostas do Governo à situação relativa...

Paíshá 3 horas

ASAE apreendeu 306 mil artigos contrafeitos nas últimas semanas

No âmbito do Dia Mundial Anti-Contrafação, a ASAE procedeu a uma apertada fiscalização a nível nacional nas últimas semanas. No...

Bragahá 4 horas

Distrito de Braga em alerta laranja durante o fim de semana

As altas temperaturas não vão dar tréguas este fim de semana, mas a chuva e a trovoada também não. De...

Economiahá 5 horas

Em apenas um ano, os combustíveis subiram 20%

Desde junho de 2020 até ao momento, os combustíveis atingiram um aumento de 20%. O balanço é feito pela Rádio...

Paíshá 6 horas

Saúde mental dos estudantes do ensino superior piorou com a pandemia

Várias associações e federações académicas do ensino superior de norte a sul do país levaram a cabo um estudo com...

Paíshá 6 horas

Época balnear começa hoje. Recorde as regras

Apesar da possibilidade de começar a época balnear a 15 de maio, a grande maioria dos municípios portugueses optaram por...

Paíshá 17 horas

Dois apostadores em Portugal ganham 9.600 euros no Euromilhões desta sexta-feira

Dois apostadores em Portugal venceram, esta sexta-feira, o 3.º prémio do Euromilhões, arrecadando cada um 9.600 euros. Um apostador no...

Regiãohá 19 horas

Afogamento no rio Ave faz um morto, esta tarde, na Trofa

Um homem faleceu, na tarde desta sexta-feira, após se ter afogado no rio Ave, junto ao passadiço do Parque das...

Desportohá 21 horas

Português Jorge Fonseca sagra-se bicampeão mundial de judo

O português Jorge Fonseca sagrou-se hoje bicampeão mundial de judo em -100 kg, ao vencer na final dos Mundiais, a...

Famalicãohá 21 horas

Famalicão: Incêndio deflagra em habitação em Calendário esta tarde

Um incêndio deflagrou, na tarde desta sexta-feira, numa habitação, na Rua Padre António Vieira, em Calendário. Fonte dos bombeiros disse...

Desportohá 22 horas

Internacional angolano Anderson Neri irá reforçar Riba d’Ave Hóquei Clube por uma temporada

O Riba d’Ave Hóquei Clube (RAHC) informou esta sexta-feira que firmou acordo com o internacional angolano Anderson Neri (28 anos)...

Famalicãohá 24 horas

Famalicão: Infeções por covid-19 voltam a subir no concelho

Os dados da Direção-Geral da Saúde referentes à incidência de novos casos da covid-19, das duas últimas semanas, no concelho...

Paíshá 24 horas

Covid-19: Mais 1 morto e 519 novos infetados nas últimas 24 horas

Portugal contabiliza hoje mais 1 óbito provocados pela pandemia e 519 novos casos de infeção, segundo o relatório diário emitido...

Paíshá 24 horas

Médicos de família vão enviar cartas aos utentes pedindo compreensão sobre atrasos

Os médicos de família vão entregar, a partir de segunda-feira, uma nota aos utentes a pedir compreensão pelos atrasos nas...

Famalicãohá 1 dia

Alerta! Famalicão sob aviso amarelo esta sexta-feira com a previsão de chuva, trovoada e granizo

O Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA) colocou, esta sexta-feira, todo o distrito de Braga em aviso amarelo...

Famalicãohá 1 dia

Famalicão: Incêndio deflagra em habitação, ao final desta manhã, em Joane

Um incêndio deflagrou, ao final da manhã desta sexta-feira, numa habitação, em Joane, na Avenida Dr. Mário Soares. Fonte dos...

Famalicãohá 1 dia

Famalicão celebra hoje 60 anos da inauguração dos Paços do Concelho

Famalicão celebra hoje os 60 anos da inauguração dos Paços do Concelho e Tribunal, inaugurados durante as Festas Antoninas a...

Famalicãohá 1 dia

Famalicão: Bloco de Esquerda questiona Governo sobre ‘lay-off’ aplicado na empresa Coindu

O Bloco de Esquerda questionou recentemente o Governo sobre alegadas irregularidades na aplicação do lay-off e não pagamento das horas...

Arquivo

FAMA NAS REDES

ANUNCIE NESTE ESPAÇO > ligue +351252308147 ou WhatsApp para +351963964191